Summary Review: Super Mario Galaxy (Wii)

01-Super-Mario-Galaxy-Logo

Olá meus caros, como estão?

Esse ano tive uma das melhores experiências com um game que tive em toda minha “carreira” de jogador e eu faço questão de compartilhar aqui neste humilde blog com todos vocês que sempre acompanham meus textos enormes e cansativos cheios de conteúdo.

Chegou o momento de fazer uma análise resumida de um jogo que, por mais que eu enxergasse como um Pecado Gamístico meu, eu desprezei por muito tempo. E, somente depois de encará-lo de cabo a rabo, percebo a mancada que estava dando comigo mesmo.

Sim, está na hora de falar sobre um dos melhores jogos 3D do encanador italiano bigodudo mais famoso do mundo, hora de falar de Super Mario Galaxy. Segurem seus Wiimotes e chacoa… err… bem, isso vai ficar estranho. Preparem-se para uma história de um velho rabugento ex-seguista e acompanhem o texto a seguir sem me crucificar muito.

Num passado não tão distante, quando ainda tinha acesso fácil ao fantástico videogame da sétima geração lançado pela Big N, o Wii, acompanhei por um bom tempo alguém jogando Super Mario Galaxy. Além disso, outras pessoas insistiam para que eu o jogasse, mas eu sempre neguei. Tinha meus motivos, minhas convicções. Todas erradas.

Primeiro que, enquanto eu assistia a jogatina enquanto fazia outras coisas (como jogar em portáteis ou fuçar na Internet, por exemplo), o máximo que eu enxergava do jogo era um monte de coisa colorida, sorridente, bonitinha e fofinha cheia de gritinhos; e Mario voando pra cá, Mario voando pra lá, tudo com as mãozinhas pra trás, planetinhas surgindo, estrelinha gritando que estava se transformando e mais um monte de coisa que me fez ter um pré-julgamento totalmente errôneo do jogo. Por acaso, o tipo de julgamento preconceituoso que nos dias de hoje critico.

Mario voando de planeta para planeta.

Mario voando de planeta para planeta.

Criei muitos adjetivos para o game, todos eles bem pejorativos. Alguns, se eu falar aqui, podem até ofender de pessoas que não sabem levar as coisas na esportiva. Querem que eu seja sincero? Eu estava sendo um imbecil. Infelizmente, não tem outro termo pra me definir numa situação como essas. Na verdade tem, mas vamos deixar desta forma.

Mesmo com tudo isso, eu não me condeno tanto. Super Mario Galaxy definitivamente é um jogo para ser jogado e sentido enquanto o jogador se aventura por todo aquele Universo (sem trocadilhos). Não é para ser apenas assistido, ainda mais dividindo atenções com outras atividades.

O vilão é o de sempre, o problema é o de sempre também. Mas quem é que liga? Isso não tira nada da qualidade do jogo!

O vilão é o de sempre, o problema é o de sempre também. Mas quem é que liga? Isso não tira nada da qualidade do jogo!

O dia que eu resolvi largar mão de todos os preconceitos e botar o jogo no Wii U para rodar, dedicando momentos para me adaptar ao jogo, eu fiquei realmente impressionado e surpreso com tamanha qualidade que estava presenciando. Sem o menor exagero.

Super Mario Galaxy é um jogo indefectível: é inovador e surpreendente na parte técnica, possui uma física até então que nunca havia visto igual, sistema de colisão totalmente preciso, mecânicas fáceis de serem aprendidas e o controle responde perfeitamente bem. Mas só isso seria suficiente pra dizer que um jogo é bom? Claro que não, além de impecável na parte técnica, o jogo é muito divertido! Eu já chego lá.

Os power ups do jogos garantem ainda mais diversão durante o gameplay, mudam bastante como cada fase deve ser concluída.

Os power ups do jogos garantem ainda mais diversão durante o gameplay, mudam bastante como cada fase deve ser concluída.

Antes quero falar um pouco da física, até porque eu nunca vi nada igual em todos esses anos de jogatinas. Basear a física do jogo na gravidade de cada planeta em que o herói pisa não me parece algo trivial de se implementar. E o mais impressionante é que tudo funciona muito bem e sem glitches estranhos. Nesse quesito, sou obrigado a afirmar uma coisa: padrão Nintendo de qualidade.

Sem falar que os controles respondem muito bem. Morrer e botar a culpa no controle é uma desculpa pra lá de esfarrapada. A combinação Wiimote + Nunchuk pode parecer um pouco estranha durante o período de adaptação. Só que com certeza este período é curto, em pouco tempo você se acostuma e acha tudo ótimo. Ainda mais que em momento algum os controles falham ou deixam de responder da forma como deveriam.

A parte gráfica do jogo é espetacular, mesmo que não possua gráficos em alta definição, tudo ainda é muito bonito e fica bem tanto em televisores antigos como os de tecnologia mais atual. É uma obra de arte como poucas vistas na sétima geração. Repito, estamos falando de um jogo de 2007 que possui baixa resolução! Garanto a vocês que um Wii U ligado em HDMI reproduz tudo com muita qualidade. O jogo é lindo!

As fases são bem detalhadas, tanto na parte gráfica quanto em partes para visitar e experimentar.

As fases são bem detalhadas, tanto na parte gráfica quanto em partes para visitar e experimentar.

Não, não me venham com a conversa de que o que não é foto realista não tem belos gráficos, pois aí você estará manifestando um preconceito bem parecido com o que eu sempre tive e o adjetivo pra isso já foi citado no texto, mas não quero ofender ninguém. Embora neste caso específico bem que mereça.

A trilha sonora do jogo, rapaz, que coisa linda também! Enquanto estamos no World Map do jogo, que é a nave onde fica a Rosalina, você tem a nítida sensação de que está no espaço só de ouvir a música. Agora fico me perguntando: como é que conseguiram fazer isso? Meus caros, eu adoro quando conseguem encaixar com perfeição uma música em uma fase ou situação de um jogo (o mesmo vale para filmes, seriados, etc). Acho que isso faz uma diferença gritante na experiência. Quem dera os jogos atuais da franquia Sonic tivessem isso, como tiveram no passado. Mas aí descobriram a guitarra e… bem, não vamos perder o foco aqui!

Parte do World Map, em frente a uma das áreas onde é possível acessar as fases.

Parte do World Map, em frente a uma das áreas onde é possível acessar as fases.

De novo vou levantar os escudos aqui: não me venham com aquele papo de que as músicas de jogos da franquia Super Mario são sempre as mesmas remixadas e/ou em versões diferentes. Isto pode até ser “meia verdade”, já que parte das músicas do jogo são mesmo melodias conhecidas, mas algo assim não deveria nunca ser considerado um problema. Até porque tudo é feito com muita maestria. Fora que, ao ouvir determinada música clássica, já podemos identificar o que vem pela frente naquele ponto do jogo específico. E isso, gostem ou não, é uma sacada muito boa.

Sabe quando você está tão apaixonado por um jogo que você sente que está acabando e fica preocupado, mas quando surge um novo conjunto de fases você até dá um berro pra comemorar? Pois é, aconteceu comigo ao jogar Super Mario Galaxy! Mais de uma vez! Isso pra mim é sinal de qualidade, que você não cansa da mecânica e de se surpreender com o que o jogo tem a oferecer. Você tem a nítida sensação de que está se divertindo, e não se arrastando pelo jogo só querendo chegar no final dele, como acontece com uma porção enorme de jogos que são da mesma geração e que são cheios de “recursos” (se pudesse colocaria mais aspas aqui na palavra).

Até fase de corrida de arraia acontece durante o jogo!

Até fase de corrida de arraia acontece durante o jogo!

Sim, sim, mil vezes sim. O jogo está sempre disposto a te surpreender. Quando você pensa que viu de tudo nele, sempre surge mais uma fase com algum diferencial, mesmo que mínimo. Será algo que vai pelo menos te arrancar um sorriso. Os designers desse jogo estão de parabéns tanto quanto os programadores responsáveis pela parte técnica, os responsáveis pela parte gráfica e pela sonora.

Todos os profissionais envolvidos capricharam. Fica aqui registrado o meu parabéns também a quem testou e a quem lapidou até remover cada bug que possa ter surgido durante a fase de desenvolvimento. O jogo é muito polido. Novamente: padrão Nintendo de qualidade.

Tudo é muito bem feito, tudo se encaixa perfeitamente, existe uma harmonia incrível que qualquer jogador consciente percebe enquanto joga as fases. Impossível encontrar algo para se reclamar neste jogo. De verdade.

Quando você menos espera, você terminou o jogo. Pegou todas estrelas. Superou todos os desafios. E parece que o jogo durou algumas horinhas. Mas você ficou dias jogando e pensa que não faria sentido. Na verdade, fez sentido e muito. Você estava encarando um jogo memorável, um jogo incrível!

Eita… será que estou virando nintendista? Socorro!

Enfim, se você é um jogador cabeça dura da mesma forma que eu fui durante um bom tempo, esvazie sua mente e tente jogar este jogo livre de qualquer preconceito durante uma ou duas horas. Quando menos esperar, você estará vidrado, viciado, não vai largar e vai querer pegar mais e mais estrelas, procurando segredos e se encantado com todo universo que a Big N nos proporcionou. Eu garanto!

Que tal natação contra pinguins valendo uma estrela?

Que tal natação contra pinguins valendo uma estrela?

Tenho que me retratar de todas as piadas ridículas e críticas que fiz enquanto não havia segurado o controle e sentido qual é que era a do jogo. Desculpem os amigos que falaram que eu precisava jogar, vocês estavam certos, eu estava redondamente enganado.

Super Mario 3D Land é sensacional, Super Mario 3D World é espetacular. Mas Super Mario Galaxy beira a perfeição, com certeza já virou o melhor jogo 3D do encanador que joguei na vida. E não apenas isso…

Sou obrigado a admitir inclusive que um certo site aí que não sou lá muito fã estava correto, quando afirmou que Super Mario Galaxy é o melhor jogo da geração. Tudo bem que eu não joguei tudo que foi lançado para os três consoles e isso torna injusto fazer a afirmação, mas até agora não vejo como outro jogo possa superar tudo que experimentei nesta aventura do encanador mais famoso dos videogames. Alguns afirmam que sua continuação sim supera, eu não duvido. Não vai demorar muito para que eu crie coragem e descubra isso por mim mesmo.

Super Mario Galaxy alterna entre fases tranquilas e outras que o caldo engrossa bastante. Ainda mais quando o chão some ao pisar nele.

Super Mario Galaxy alterna entre fases tranquilas e outras que o caldo engrossa bastante. Ainda mais quando o chão some ao pisar nele.

Pelo menos o melhor jogo de plataforma 3D que joguei na vida ele é. Desculpa aí, Sonic. Mas a SEGA precisa melhorar muito pra conseguir lançar um jogo seu que tenha metade da qualidade de Super Mario Galaxy. Por mais que eu seja fã, contra fatos não há argumentos e eu não serei SEGO cego o suficiente para não enxergar isso. O que me dá mais raiva é ver executivos mais preocupados em lançar crossover com passarinhos rabugentos do que investir em algo decente. De rabugento já não basta eu! Fora os endless runners e outros passatempos mobile. Ou as tentativas de copiar Mario em “mundos perdidos” que resultam em falhas ridículas. Triste, muito triste. Felizmente, o bigode vai bem! Olha eu perdendo o foco de novo, melhor voltar…

Vou me abster de maiores informações técnicas nesse post, desculpem-me por isso. Só queria relatar aqui minha experiência com o jogo, dizer que tive paciência suficiente pra fazer 100% nele (sem maiores spoilers, Summary Review e tal, né galera?) e finalizar afirmando que é um título obrigatório a qualquer fã de videogames que se preze.

Leram tudo? Parabéns, vocês merecem uma Grand Star! \o/

Leram tudo? Parabéns, vocês merecem uma Grand Star! \o/

Espero que tenham gostado do texto. Há tempos que eu não escrevia tanto um texto com o coração do começo ao fim sem interrupções e sem ficar me preocupando com outras coisas. Deveria fazer mais disso.

Enfim, chega de conversa!

Não esqueçam de compartilhar qual foi a experiência de vocês com o jogo.

E, por favor, não me mandem spoilers do Super Mario Galaxy 2, eu juro que tento jogar ainda em 2015!

Grande abraço a todos e até o próximo Galaxy… digo… post!

Anúncios

Sobre Gamer Caduco

Menino novo, com mais de 30 anos de idade, fanático por games de todas as gerações.
Esse post foi publicado em Jogos, Nintendo, Summary Review, Super Mario, Wii e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

27 respostas para Summary Review: Super Mario Galaxy (Wii)

  1. Fala Cadu, blz?

    No ano passado, eu tinha me decidido a “pagar” esse pecado gamistico que tenho e comecei a jogar Super Mario Galaxy.. O jogo é realmente fantástico! Porém, não me recordo o motivo, mas parei no meio do caminho.. Tenho como promessa retomar ainda esse ano, vamos ver se consigo! 🙂

    Belo post, abraço!

    • Gamer Caduco disse:

      Poxa, jura que vc abandonou o jogo? Eu por mais que tentasse, não tinha como. Não via a hora de chegar em casa pra jogar. Poucos jogos da geração passada me fisgaram desse jeito, tenho que confessar.
      Vê se joga até o fim que tem muita coisa bacana pra fazer nesse jogo.
      Valeu Felipe!

  2. Marvox disse:

    Daê Cadu, show de bola!
    Mas é mesmo, reclamar de foto realismo num jogo desse é procurar sarna pra se coçar, o jogo é muito louco do jeito que ele é, e me lembra bons momentos quando comprei o Wii em 2008 e acabei levando o Galaxy junto, gostei muito dele, depois joguei o Galaxy 2 e ambos são bem divertidos. Vale a pena dar uma explorada a mais na biblioteca do Wii, se garimpar bem descobre muita coisa legal para jogar.

    Grande abraço!

    • Gamer Caduco disse:

      Opa, e ae Marvox? Blz?
      Com certeza a biblioteca do Wii tá recheada de coisa boa, eu infelizmente acabei focando em outros jogos no curto período que tive o console em casa. Não que tenha sido ruim, mas devia ter aproveitado melhor.
      Galaxy 2 já está na minha mira, não sei ele, mas o primeiro é realmente divertido. Não duvido que a sequência seja ainda mais surpreendente!
      Valeu Marvox!

  3. Giovani disse:

    Isso a Nintendo faz bem,e sempre fez.Os controles.Não me surpreendo .Desde que conseguiram por Mario no N64 eu não duvido mais de nada sobre a competência desses japoneses.

    Já o tal do “fotorealismo” isso é um argumento inválido de gente que curte mais cinema que videogame.E se aplicado em jogos que a base é desenho,como Mario,isso beira o ridículo.É o mesmo que pedir fotorealismo em Dragon Ball Z ou Naruto,por favor.Mesmo em jogos onde a busca da realidade é marcante,como em Watch Dogs,mesmo nestes jogos.o que é mais importante é não ter glitches estranhos e ter um bom gameplay e porque não uma história decente.

    Cadu,durante a leitura eu dei um “page up” “page home” no meu note para ter certeza que estava no seu blog mesmo… kkkkkkkkk 🙂
    Esse texto foi quase uma declaração de amor ao Mario Galaxy.É importante a gente jogar qualquer coisa antes de ter uma opinião,principalmente se essa opinião for negativa.
    Eu,por exemplo,não gosto de jogos de zumbis,com raras exceções,mesmo assim eu me policio antes de falar algo sem ter jogado antes.

    Falou Cadu!

    • Gamer Caduco disse:

      Fala Giovani! Blz?
      Cara, é isso! Foi uma declaração de amor mesmo ao Super Mario Galaxy. O jogo me cativou de um jeito que acho que faltaram palavras pra descrever no post, mas de alguma forma consegui expressar um pouco disso!
      Gostei do que disse sobre foto realismo ser algo de quem curte mais cinema que videogame, isso faz muito sentido na minha cabeça agora que vc mencionou. Nada contra quem tenha este tipo de preferência, mas realmente faz todo sentido!
      Só não entendi pq vc falou que não parecia meu blog… foi por conta do preconceito inicial com o jogo? Ou pq eu me declarei a um Mario e ainda dei algumas alfinetadas no Sonic? kkkkkk
      De fato eu sempre me policio também, mas na época que assistia o Super Mario Galaxy eu tava com outra cabeça. Uma pena que demorou um pouco pra eu amadurecer nesse sentido, mas felizmente aconteceu. Sempre bom perceber a evolução própria e das pessoas que nos importamos!
      Valeu Giovani!

      • Giovani disse:

        Exatamente.Seu entusiasmo falando de um jogo Nintendo me pegou de surpresa.Não que vc seja um fã boy,nada disso,mas é inevitável,a gente sabe do carinho que vc tem pela Sega e seus jogos. 🙂

        • Gamer Caduco disse:

          Ah cara, a gente tem nossas preferências, mas tem que reconhecer quando algo grandioso é lançado por uma marca (ou seja o que for) que não é a sua preferida. Vale pra tudo nessa vida!
          Vish, rimou! kkk
          Valeu Giovani!

  4. Cherry Pie disse:

    É… esse negócio de “chacoalhar” o controle do Wii é mesmo uma coisa complicada… já teve até comercial do console que acabou sendo proibido por causa disso (confira aqui essa parada – kkk – https://www.youtube.com/watch?v=3Ke0IvvIq5Y ) Bem, mas vamos deixar de lado a pouca vergonha dessa campanha publicitária gamística e falar do que realmente importa: SUPER MARIO GALAXY É UM TREMENDO JOGAÇO E UM DOS MAIS MELHORES DE BONS DA ATUALIDADE!!! PRONTO, FALEI!!!
    Confesso que deixei muito esse título de lado. Aliás, este foi um dos jogos que morreu absolutamente intocado no meu antigo e finado HD. Infelizmente, tive muitas ressalvas com ele a princípio, justamente em razão de ter que jogá-lo utilizando de Wiimote + NunChuquiNórris (chamo assim em razão da certa perícia e costume que se precisa adquirir no manejo desses trem tudo… hahaha) Mas, passado esse tempo de adaptação, só posso dizer: “Cara, esse trem é bão dimais da conta sô!!!” E faz um bem danado pra cuca também! Exercita o raciocínio que é uma be-e-élezura!!!
    Sério mesmo gente! Eu tinha os dois pés atrás e sempre torcia o nariz quando colocava um jogo e logo vinha a mensagem pra plugar o ‘Tchutchuco’… Fui perder isso recentemente, quando comecei também a jogar ‘Sonic and the Black Knight’, onde o direcional é no nunchuk e o Wiimote é controlado como se fosse uma espada…
    Enfim, enfim… eu precisava me adaptar de alguma maneira… e gostei disso! Apesar de às vezes acabar ficando com os braços um pouco doloridos de sair descendo a porrada em todo mundo! Mas isso é história pra outra ocasião. Afinal, o post é sobre Mario Galaxy, e não sobre Sonic em Camelot, right?
    Em primeiro lugar, pra variar, gostaria de parabenizar o autor e meu querido bródinho de consideração pela coragem e humildade! Não é fácil reconhecer, ainda mais publicamente, esse tipo de “negligência” e “auto sabotagem”, se é que poderia assim chamar. Não quero me utilizar de termos fortes, não é essa a intenção. Muito pelo contrário, até porque a batalha mais difícil que travamos é aquela na qual temos de lutar contra nós mesmos, contra nosso passado e muitas vezes contra nossa própria opinião e convicção. Entretanto, não há dúvidas de que quem encara e vence suas próprias batalhas internas é o dono da maior das vitórias, pois assim já dizia Platão. E, mais ainda, digo que não se pode negar o passado. Negar o passado, as escolhas que fizemos e as pessoas que um dia estiveram nele é como negar um pedaço de nós mesmos! Se somos o que somos hoje é por causa dele. Todos possuímos um passado e também possuímos a chance de aprendermos com ele, para que sejamos sempre melhores a cada novo amanhecer! É isso o que vejo neste post. Vejo a história de alguém que se enxergou, se reconheceu e soube se dar uma nova chance! Meus parabéns por essa sua conquista! (Bem, por enquanto, pra tirar uma casquinha, vou te dar apenas metade dos parabéns. Quando eu vi o post no ar, pensei que você já tinha terminado tudo! Daí eu falei comigo mesma: “Misericórdia! Baixou o santo do ouriço azul e o Onii Sama terminou tudo antes do fim do ano!” Mas depois eu vi o resto e me toquei que haaaa, foi pegadinha do Mallandro!!! Kkkkkkk – mas não importa! Fico no aguardo dos 100% pra ver o review completo, ok? Hehe)
    Até porque eu estou apenas no começo ainda. Li o seu post no sábado (25) e comecei a jogar no domingo. Já peguei umas dez estrelas, eu acho… Fiquei muito interessada pelo que você escreveu e resolvi experimentar por mim mesma! Quando eu pus o CD pra rodar, eu falei “Cara, que show de bola! O Mario e o Pequeno Príncipe fizeram a fusão do Dragon Ball e saiu um puta game irado no final!”(geeente, que massaroca que eu fiz agora, hein? Huahahahaha) Bem, a história é super linda! A Rosalina é linda, meiga, doce e gentil! E, pra quem não sabe, eu amo a história do Pequeno Príncipe! Amei a ideia do Mario viajando de planeta em planeta assim como ele. A diferença é que em vez de pegar um cometa (relembre disso aqui: https://www.youtube.com/watch?v=K65HKO4LeJI ), ele viaja com a força das próprias estrelas, o que é mais lindo ainda! A ideia também dos mundos serem “pequenos”, assim como o famoso planetinha B612, também foi muito 10! Não sei se estou correta no que vou afirmar agora, mas creio eu que o Pequeno Príncipe com certeza deve ter influenciado na produção do game de alguma maneira pra que ele acabasse sendo assim…
    Os gráficos são belíssimos, e as músicas, um espetáculo à parte! E sair por aí voando e pegando aqueles caquinhos de estrelas (algo me diz que eles parecem ser bem docinhos e com saborzinho de frutas n_n) é realmente tudo de bom! A mecânica é simples, sem frescuras ou coisas irritantes. Sinto falta disso em alguns dos títulos atuais. Os jogos do Sonic mais novos, por exemplo, tem me desencantado um pouco nesse sentido. Sei que nunca fui uma exímia jogadora, mas alguns dos games dessa nova geração, que possuem esses conceitos de notas e estrelas (0 a 5) me irritam um pouco. É um tanto frustrante você muitas vezes dar o melhor de si, pelo menos naquele momento, e sair da fase com uma nota D, C, ou, com muito esforço, um simples B. Isso me faz sentir um pouco impotente, ou até mesmo incompetente. Sei lá, faz parecer que não importa mais nada desde que a nota seja boa. Não gosto muito disso, porque sinto que desvia um pouco o foco do jogo e me tira um tantinho da diversão. Sinto como se estivesse sendo sujeita a uma avaliação e não como se estivesse jogando um game pra me divertir. Tá certo, eu sei que também tem a parte do desafio, que não é menos interessante. Mas sinto falta de quando a vida era mais simples e bastava correr como um doido e sair por aí coletando Rings e cacetar a fuça do Robobonik de vez em quando. Em contrapartida, Mario Galaxy é totalmente o oposto! Ele resgata a proposta de, sim, manter os desafios pra alcançar as estrelas… mas sem toda aquela pressão da performance na fase! É puríssima diversão e nada mais! E, convenhamos, é uma missão mais divertida do que a outra, não é mesmo? Cara, eu adorei quando eu fui naquela galáxia “tirar a carta de Arraia” (kkk) Foi muito divertido! Mas confesso que gostaria de ter sido mais rápida. Acho que vou ter que levar a Cláudia (Arraia) no mecânico… Ela estava pulando muito durante a prova e demorou muito para dar a largada. Talvez seja alguma coisinha na suspensão e no motor de arranque. Acabei perdendo algumas vidas naquela fase por conta disso. Mas mesmo assim, consegui fechar o circuito em 1:03min. Não é um mau tempo, mas acho que depois da revisão e do balanceamento, talvez eu possa fazer um tempo melhor, quem sabe né? Huahaha. Ah, falando nisso, estou doida pra ir nadar com os pinguins! Vish, mas será que eu vou ter que incorporar o Phelps pra vencer essa parada? É, vamos ver o que nos reserva as cenas dos próximos capítulos. É jogar pra descobrir, certo? Bora lá então!!!
    Bom, enfim, eu só queria dar uma passadinha básica pra comentar algumas coisinhas sobre as minhas opiniões e falar um pouquinho sobre o que achei do game também, mesmo ainda estando no começo.
    E, por falar nisso, já vou pedindo uma licencinha porque hoje é domingo e eu tô de boa pra continuar jogando Super Mario Galaxy e pegar mais e mais estrelas e salvar mais galaxias das mãos do terrível imperador do mal Zurg… (Opa, perae, esse game aí é outro… volta…)kkk. Mas não importa! É Super Mario ao infinito e além!!!!!!!
    To indo nessa, porque tá quase na hora da minha estrela passar e eu não quero dormir no ponto… hehe. Um big dum abraço e até o próximo escrito!
    Sinceramente
    Sis. Cherry
    @-}–

    • Giovani disse:

      Não posso evitar e tenho que comentar sobre o Pequeno Príncipe.Quando li o que disse sobre o tema quase que como um relâmpago veio a imagem do Mario e da capa do livro na minha cabeça.Realmente tem tudo a ver,é muito,mas muito provável que Shigero Miyamoto tenha se inspirado na obra.Eu até dei uma procurada sobre o assunto e achei outras pessoas que chegaram na mesma conclusão.Agora fica a dúvida se Miyamoto viu ali uma Jibóia que comeu um elefante ou um chapéu. 🙂

      OBS:Eu ri muito aqui com a Cláudia (Arraia) 🙂

      https://room208.org/booru/posts/1708

      • Cherry Pie disse:

        Hey Gio, what’s up, Doc? (kkk)
        Nossa, que imagem daora meu!!! Adorei!! Vai ficar linda estampada em uma camiseta!! Mas sim… Não teve como eu não atrelar uma coisa a outra, até porque sempre gostei muito de ambos, tanto do Mario quanto do Pequeno Príncipe.
        Enfim, só acho um pouco de pena a SEGA não ter feito algo parecido com o Sonic, Alex Kidd ou até mesmo o Opa-Opa. Me dói muito ver símbolos tão cativantes como estes “largados” por aí, do jeito que estão… Mas ainda alimento um fio de esperança de que esta realidade pode mudar e de ver algum jogo bem bacana deles… e, quem sabe, não fazem um “mix” e aparecem os três de uma vez, não é? Bom, parafraseando ‘um certo dono de um blog de games por ai’, “Sonhar ainda não paga imposto”, não é mesmo??? – kkk (mas é bom tomar cuidado, pois do jeito que anda o atual governo, não iria me espantar se esta realidade mudasse de uma hora pra outra. 😦 )
        Aaahh, a da Jiboia é clássica! Uma dica: se puder, assista o filme (do Pequeno Príncipe)! Ele está bem fiel ao livro e ainda vem com uma deliciosa e sutil surpresa no final, quase que como um “Capítulo Bônus”…
        Quanto a Claudia, ela vai bem, obrigada! É típico de mim fazer este tipo de trocadilho… kkkkkk (mas eu amo muito tudo isso…hehehe)
        Valeu!
        Beijinhos 😉

    • Gamer Caduco disse:

      Poxa, curioso como todo mundo sente algum preconceito/birra do “Tchutchuco” + Wiimote, eu também passei por isso. E depois que começa a jogar, percebe que é uma combinação super confortável! Dá pra jogar com as mãos pra baixo, esparramado no sofá. Isso é maior bom! rs
      É nessas horas que a gente percebe o pré-julgamento besta que a gente tá fazendo, igual ocorreu comigo também com o jogo em questão. Aliás, obrigado pelos parabéns de superação de preconceito, não foi fácil. E ao mesmo tempo deveria ter sido. Depois vc se sente uma anta quadrada, mas passa…
      Ah, peraí… eu fiz 100% do Mario Galaxy sim, dá uma zoiada lá na página de Jogos Terminados pra vc ver! huauhahua! Inclusive esqueci de editar aqui. Até a platina do Rogue Legacy consegui esses dias (nunca xinguei tanto um portátil igual quando vi o troféu pipocar na tela).
      Gostei da referência ao Pequeno Príncipe, digo pra vc jogar mais do jogo que vc vai se surpreender ainda mais com essa sua comparação. Vai por mim. E esse é o máximo que direi pra não dar spoiler e estragar qualquer experiência. Antes do fim vc entende do que tô dizendo, mas vá até o fim! Pq vale a pena! Muito!
      Ou seja, pode ter certeza que tem uma certa influência da obra literária aí sim!
      Negócio do rankeamento pós fase enche o saco mesmo. Tenho jogado Shinobi no 3DS e ele tem isso. Eu termino a fase quase sem ser atingido e me aparece um “B”. Pata que pariu, né? Que preciso fazer pra ganhar A? Dançar a Macarena enquanto enfrento os inimigos? Sacanagem! E eu disse pata, hein…
      Os jogos do Sonic com rankeamento enchem o saco tb, mas eu tive a paciência estúpida de conseguir S em tudo no Generations também do 3DS. Não me pergunte pq e nem como fiz isso…
      Voltando…
      A fase da Cláudia Arraia é muito louca mesmo, eu adorei. Mas foi uma das que mais xinguei pq eu queria atingir alta velocidade e só morria! kkkkkk
      Bom, volte para falar mais da experiência, tenho certeza que vc terá mais inúmeras surpresas e momentos de diversão. Esse é jogo que vc não tira o sorriso do rosto, nem quando perde mais uma vida! hehehe
      Valeu Cherry Galaxy!

      • Cherry Pie disse:

        Kkk
        É meu caro irmão… ainda estou “perdendo a birra”, mas como Mario Galaxy me cativou muito, me dispus a “fazer este nobre sacrifício” (kkk)
        Eu ainda não consigo jogar com as mãos pra baixo. Na vdd, eu até costumo ficar em pé quando a fase é um pouco mais tensa… Não sei se é por questão de reflexos… Acho curioso, porque meu irmão do meio, por exemplo, tinha o costume de jogar agachado. Às vezes, ele ficava assim por horas! Não sei como, porque eu sequer consigo me agachar por minutos. Os joelhos já me doem. Talvez seja algum problema de junta (tipo, junta tudo e joga fora…kkk) Enfim…
        Fico feliz que tenha perdido seu preconceito sobre o jogo, assim como eu, com o receio do nunchuck. Acho que apenas tivemos a ganhar com isso tudo, né?
        Nossa, vc terminou bem rápido então! Ah, então parabéns de novo! De minha parte, vou continuando minha carreira por aqui… Creio que poderei melhorar um pouquinho o progresso agora, pois – FINALMENTE – estou de férias!!! OH GLÓRIA!!! (É, tive que pegar apenas 15 dias em razão do grande volume de serviço… mas já está valendo.) Já estou em atraso, pois semana passada aconteceu um fato mega desagradável que deixou um big prejuízo, não somente a mim, mas também a toda a minha família. Dou graças a Deus em estar viva e pelo pior não haver acontecido… depois explico em detalhes…
        Quanto ao Rogue Legacy, vou me resumir e apenas comentar que você é muito corajoso, hein meu rapaz??? Caramba!!! Platina?? Parabéns duplo então!!!
        Acho que já saquei qual é a parte do jogo (Mario Galaxy) que você está se referindo… e, se for o que estou pensando, acho que acertei em cheio na minha proposição, não é mesmo?? 😉
        Mas com certeza, esse aí eu vou jogar até o fim!! Já virou questão de honra!!!
        Argh! Quanto ao rankeamento, eu tenho é corrido um pouco de jogos assim… de nervoso, já basta o que eu passo no meu trabalho, com aquelas “crionças marginais”…
        Fala sério! Que mais eles querem? Que além de não tomar nenhum golpe, será possível que teremos que dançar a Macarena, segurar o tchan e ainda por cima ralar na boquinha da garrafa??? Sacanagem isso pô!! E qual vai ser o próximo desafio? Colocar a mão direita no vermelho, o pé direito no verde, o cotovelo no amarelo, fazendo um ângulo de 45º e a ponta do nariz no azul??? Vô chegar nos homi e falar: CEIS TÃO DE SACANAGEM COMIGO???!!! Né? >=.(
        Ué… mas… pata que pariu? Isso não faz muito sentido. Afinal, patas botam ovos. Nesses termos, eu prefiro usar o ‘Ponte Que Partiu’. Mas creio que nada mais seja do que uma questão de preferência… apesar de que, tem hora que NADA substitui a expressão na sua íntegra, pois assim já disse Luís Fernando Veríssimo naquela famosa crônica “Direito ao Palavrão” huehehe… Aaahhh, não vou conseguir me conter aqui… COMO vc fez pra obter nota “S” em tudo no Sonic Generations também no 3DS????? Kkk
        A fase da Claudia Arraia me remeteu literalmente àquele slogan da Pirelli que diz que “Potência não é nada sem controle”. Senti bem isso na pele. Sério… hehehe
        Ah, com certeza volta e meia estarei pipocando pra contar o meu diário de bordo gamístico sobre Mario Galaxy!!! Você disse tudo agora! Até quando eu morro e xingo horrores, faço isso sempre com uma gargalhada nos lábios. E isso está sendo incrível! To me divertindo pacas!!!
        Bem, é isso. Um grande abraço e até mais ver…
        😀

        • Gamer Caduco disse:

          Com certeza ganhamos, essas birras só limitam a gente a deixar de conhecer coisas novas interessantes. E infelizmente é o que a maioria de nós humanos fazemos a vida toda.
          E eu demorei tanto pra responder que a esta altura do campeonato até suas férias devem ter acabado… rs
          Sobre termos, vc pode usar “Vá pra Portugal de Navio” também. Só termo de velhos! huahuahuauha
          Ah, o “S” no Generations de 3DS foi pelo fato de ter gostado muito do jogo, o que me incentiva a continuar nele até cumprir com todos objetivos que o jogo ou eu mesmo defino para fazer. O mesmo ocorreu com Rogue Legacy. É o vício! huahuahuahua
          Acho que é isso! 😀

          • Cherry Pie disse:

            Pois é… acabou a minha folgança…
            E o pior foi que apenas consegui botar a mão no Wii pra jogar Mario Galaxy no meu ÚLTIMO dia de férias…kkkkkkk
            Mas tá bom. Consegui sair um pouco, desestressar a cuca, visitar minha amiga, jogar Kirby’s Return to Dream Land com ela… enfim, enfim… foi um período bastante proveitoso, apesar de ter passado muuuito rápido. Agora, é contar os dias para o próximo feriado… (kkk)
            Já que estamos falando sobre “gírias idosas” e outros termos, e, só para eu não perder a “majestade” de “Rainha da Cultura Inútil” e, aproveitando o gancho da expressão “Vá pra Portugal de Navio”, aqui vai mais uma curiosidade, só pra você poder ir dormir mais (in)culto esta noite:
            Sabia que quando você está mandando alguém “pra casa do car@lh*”, você não está falando um palavrão? Pois é. Acontece que no bom e velho português de Portugal, “Car@lh*” é o nome que se dá ao mastro principal da Caravela, e a famosa “Casa do Car@lh*” é aquele lugar onde fica o marujo que grita a famosa expressão “Terra a Vista!!!”. A moral da história é a seguinte: quando havia algum marujo muito chato na tripulação, e o capitão ficava de saco cheio dele, ele o mandava “pra casa do car@lh*”, pois daí ele ficava sozinho, olhando o mar lá de cima e então não importunava mais ninguém. Interessante, não?
            Bom, chega de cultura inútil por hj.
            Só pra finalizar, vou dizer que morro de inveja da sua determinação. Confesso que ando bastante preguiçosa pra arrancar notas altas nos rankeamentos de games por aí… Mas fico feliz pelas suas conquistas e espero que você não perca esse seu entusiasmo nunca!
            É isso.
            Abraços e até mais… 😀
            @-}–

            • Gamer Caduco disse:

              Ahhhh vc aproveitou as férias de outras formas, isso que importa. Deixa o Galaxy pra finalizar durante a rotina, as vezes é até melhor. Pq tempo pras coisas que vc fez nas férias vc não teria durante a rotina, a gente sabe bem como funciona.
              Mas já terminou Galaxy?
              E agora?
              Terminou já?
              E agora, terminou?
              Nunca achei que caralho fosse um palavrão, tanto que estou usando sem censuras. Pra mim é adjetivo de intensidade. Tipo: Mario Galaxy é bom pra caralho! Tem um e-mail que circulava na Internet há anos aí que diz coisas do gênero.
              Voltando…
              Eu também morro de inveja da minha determinação, até pq ela é esporádica. Queria que ela fosse constante e pra coisas mais úteis pra vida! kkkkkkkkkk
              Valeu Cherry!

  5. Tchulanguero disse:

    Aew, já pode trocar esse fundo xadrez por uns planetinhas que o Caduco virou Nintendista! 😛 (eu nunca vou parar de te encher o saco com isso, rzs)

    Realmente, Super Mario Galaxy é um jogo incrível, eu atesto tudo isso que você falou. O meu único porém dele é que na maioria das vezes as fases são muito fáceis, mas eu remediei isso facilmente colocando como objetivo pegar todas as estrelas (e foi mal pelo “spoiler”, rzs). Mas tem umas fases, tipo aquela com o formato do Mario e que os blocos somem ao pisar neles, que put… infernal!

    Apesar de por motivos de gosto mesmo eu preferir o jazz de 3D World, não dá pra negar que a trilha orquestrada desse jogo é incrível… a música da batalha final então, putz… foda! Não me entra na cabeça que esse jogo tenha uma trilha sonora mais épica que Zelda Skyward Sword, rzs.

    No mais, parabéns por ter superado seus preconceitos, eu também já tive os meus e sei o quão bosta a gente se vê depois que passa, hwa hw hwa. Abraço!

    PS: spoiler gratuíto de Super Mario Galaxy 2: tem o Yoshi! 😛

    • Gamer Caduco disse:

      Nintendista? Só se for fajuto! Igual seguista fajuto!
      Descobri que de ista eu não tenho nada, eu gosto de jogar (quase) de tudo! huahuahua
      É inegável a qualidade de Super Mario Galaxy. Mesmo as fases fáceis são divertidas, esse que é o ponto. Aquelas que vc pega a estrela em menos de 2 minutos sem a menor dor de cabeça. Parece que elas servem pra vc acostumar com uma mecânica ou qualquer coisa que o jogo te exige um pouco mais posteriormente. Estou exagerando? rs
      A fase de pisar no Mario é realmente infernal, mas não é metade do que é a de pisar no Luigi 8 bit lá. Pqp! Passei muito nervoso nessa fase, vc não faz ideia! Deixei ela por último jogando com o Mario. E vc não jogou ela com o Luigi, né? Deveria! Enfim…
      Ah, sem crise pelo spoiler, eu sou meio chato as vezes pq detesto quando alguma surpresa, mesmo que mínima, é revelada e eu já sei disso. Não fico com ódio nem nada assim, conheço duas pessoas que são bem piores que eu! huahuahuahuahua
      Também curto muito o jazz do 3D World e até do 3D Land (prefiro o do portátil por ser mais “divertida” ou “descontraída”), mas a trilha do Galaxy é muito épica! Sei lá qual dessas eu gosto mais. Na dúvida escuto todas! kkkkk
      E não te xingo pelo spoiler do Yoshi por causa da capa do jogo! uhahuahuahuahuahua
      É foda a parte de superar preconceito… mas é algo bom também, apesar do sentimento que vc descreveu muito bem! kk
      Valeu Tchutchuco… digo… Nunchuk… digo… Tchula!

  6. Eu tentei jogar o Galaxy, mas achei overrated e me deu uma motion sickness do cacete. Desisti.

  7. Pingback: BGS – Brasil Game Show 2015 | Gamer Caduco

  8. Pingback: Wii U: O primeiro Nintendo de mesa do Gamer Caduco | Gamer Caduco

  9. Pingback: Meme – O Que Você Jogou em 2015? #oqvj2015 | Gamer Caduco

  10. Pingback: Meme – O Que Você Jogou em 2016? #oqvj2016 | Gamer Caduco

  11. Pingback: Resultado: Gamer Caduco Awards 2016 | Gamer Caduco

  12. Pingback: Wii: A Nintendo de volta ao topo | Gamer Caduco

Deixe seu comentário sobre este post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s