Desafio Algozes: Battletoads (NES)

Olá meus caros, como estão?

Estou de volta para contar uma das experiências mais marcantes que tive no mundo dos videogames em toda a minha vida, que foi a experiência de jogar de cabo a rabo um jogo que é considerado como um dos mais difíceis de todos os tempos: Battletoads do NES.

Quem segue as redes sociais do Gamer Caduco, em especial o Instagram e o Twitter, provavelmente acompanhou um pouco dessa jornada, algumas das inúmeras dificuldades que tive ao longo do caminho e quando consegui superar cada uma delas.

Antes gostaria de lembrar a vocês que os posts da série Desafio não são reviews, mas sim textos mais no estilo “diário de bordo” que contam de forma resumida (ou não) tudo o que aconteceu durante a minha jogatina até o fim de determinado jogo. Querem ver mais da categoria? Bem, existe uma página fixa dedicada a ela, muito embora até o momento só descrevi minha experiência com a série Mega Man no NES e também The Revenge of Shinobi de Mega Drive.

Tem mais um detalhe: eu pretendia que todos os posts da seção Desafio Algozes fossem feitos depois que os algozes de determinada plataforma fossem anunciados. Mas eu nunca fiz isso com o NES. Ao mesmo tempo, é quase que óbvio Battletoads estar nessa lista, já que o jogo é ou foi o algoz de todos jogadores de videogame em algum momento da vida, não é mesmo? Então acho que posso quebrar meu protocolo aqui e seguir em frente.

O primeiro FPS a gente nunca esquece... não, pera...

O primeiro FPS a gente nunca esquece… não, pera…

Não é incomum as pessoas relatarem que não passaram da Turbo Tunnel (ou a “fase do Jet Ski”), da “fase das cobras” (Snake Pit) ou mesmo a “fase do monociclo” / “fase da bola” (Clinger Winger). Pelo menos foi o que mais vi durante conversas por aí, tanto no mundo virtual quanto no real.

Talvez alguns de vocês tenham se perguntado: como foi que surgiu a ideia de encarar Battletoads de uma vez por todas? A verdade é que, depois de terminar alguns jogos bem pedreiras do Nintendinho, entre eles Contra, Ninja Gaiden 2, Castlevania e Castlevania 3, achei que era hora de encarar o meu maior algoz gamístico de todos os tempos.

Talvez tenha sido algo meio maluco. No final das contas eu fiquei quase três meses completos jogando, sendo que na maioria esmagadora das vezes eu joguei durante as idas e vindas do trabalho, no metrô de São Paulo. O que nem sempre era possível, já que as vezes pegava metrô cheio demais pra encostar em algum canto e jogar, ou estava acompanhado, ou simplesmente não queria jogar e preferia ler alguma coisa. Entre outras razões que não me lembro. Ah sim, essas jogatinas em transporte público foram feitas no PSP.

Fábrica de vidas!

Fábrica de vidas!

Em casa mesmo eu quase não joguei, de verdade. Foram poucas vezes que liguei o PSP pra isso. Outras duas ou três vezes eu tentei jogar no Raspberry Pi. Ao longo do post eu vou mencionar essas jogatinas e vocês entenderão porque eu acabei desistindo da ideia depois de algum tempo.

Outro motivador (leve, pra dizer a verdade) pra que eu começasse Battletoads foi eu querer dar uma pausa na Maratona Sonic, já que estava chegando a vez de jogar um título que eu detestava. Ele vai estar no ar em breve e vocês saberão qual é, não vou dar spoiler pra não desviar o assunto.

Bem, tudo começou no dia 28/12/2018, um dia após terminar Ninja Gaiden 2. Obviamente, na primeira tentativa eu acabei ficando no ponto onde fica a grande maioria das pessoas que se aventuram um pouco no título: Turbo Tunnel.

Isso aconteceu numa sexta-feira. Para contrariar um pouco o que eu disse anteriormente, eu tentei jogar um pouco no final de semana. Em casa, no próprio PSP! Eu realmente queria completar este nível, então me empenhei um pouco em casa mesmo pra que isso acontecesse e fosse o bastante pra me motivar a seguir em frente. Deu certo!

Demorei pra pegar as manhas da fase. Chegar nos dois primeiros checkpoints era tranquilo depois de um tempo, no terceiro se tornou também em menos de um dia. Mas aí vem aquela parte em que temos que pular no momento certo para cair na plataforma seguinte. Eu demorei muito, muito mesmo pra entender como aquilo funcionava.

Foi Game Over atrás de Game Over, até que eu finalmente passei e dei de cara com uma parte ainda mais difícil: a das plataformas alternadas (cima/baixo) que não avisa antes de aparecer. Até pegar o tempo certo e a pressão que tinha que colocar em cada direcional pra desviar as plataformas, demorou um tempo.

Foi então que dois dias depois eu conseguiria passar a Turbo Tunnel pela primeira vez na vida.

No primeiro dia de 2019 eu chegaria novamente na Artic Caverns, a quarta fase do jogo. A famosa “fase do gelo”. Eu ainda não tinha proficiência o bastante pra passar a Turbo Tunnel sem morrer, ainda me atrapalhava em algumas partes. Então eram poucas vidas que eu tinha pra treinar na tal fase.

Ela parece fácil, mas não é. Levei algum tempo pra entender a hora certa de desviar das coisas, pular nas plataformas, bater nos bonecos de neve e passar por baixo das barreiras que esmagam, tudo isso tomando todo cuidado do mundo pra não escorregar pra morte. Em outras palavras, é uma fase que parece inofensiva, mas na verdade é bem sacana. Inclusive até em momentos em que estava totalmente acostumado a ela, acabei deixando uma ou outra vida nela por desatenção.

Dois dias depois, 03/01/2019, enfim eu passava a fase pela primeira vez e chegava na fase mais chata do jogo: Surf City.

Eu detesto esta fase! Até nos momentos em que eu estava totalmente treinado pra passar quase todas as fases (leia-se: sempre chegava na penúltima fase) eu ainda perdia vidas aqui. Por quê? Por causa da aleatoriedade das minas, especialmente quando aparecem com velocidades suficiente para que você não consiga desviar a tempo ou situações onde não tem espaço pra desviar.

Sério, chegou ao ponto de eu resetar o jogo duas ou três vezes nela, só por causa das vidas perdidas a toa. Pelo menos nas que foram perdidas antes de pegar a vida que tem no meio do caminho, que parece ter sido colocada lá de propósito pra compensar a sacanagem que é a fase.

Não me lembro se tive grandes dificuldades pra passar o chefe desta fase, o rato que aparece antes mesmo da parte das minas. No começo eu era muito mais cauteloso ao enfrentá-lo, sempre dava uma “bastãozada” nele e já saía de perto pra dar a próxima após o pulo dele. Depois de tantas e tantas tentativas a minha estratégia mudou, baseado na falta de paciência. Eu já tentava encostar ele no canto o mais rápido que pudesse e começava a dar “bastãozada” igual louco, sendo que algumas acertava ele, outras passavam batido. Mas no fim sempre o derrotava.

Tipo jogo de luta, encostou no canto, lascou pro adversário.

Lembro de duas vezes que eu perdi o bastão. Tive que aprender a derrotar ele na cabeçada. Não foi traumático, eu consegui de boa.

No fim das contas, essa fase não deu tanto trabalho pra passar a primeira vez, mesmo com toda essa aleatoriedade. Só que o curioso é que eu só tenho uma foto registrando a chegada na fase seguinte uma semana depois. Acho que não foi tão marcante passá-la, então não registrei.

Engraçado que eu também não fiz nenhum registro da Karnath’s Lair, também conhecida como “fase das cobras”. Eu não sei dizer bem o porque, ainda mais que sofri um pouco pra entender como passar por ela inteira.

Leve corte de caminho pra facilitar as coisas.

Aliás, inteira não é bem a palavra. Até hoje eu corto caminho na última tela. Só depois de terminar o jogo eu parei pra ver como que é pra passar a tela completamente. Definitivamente não quero tentar isso! Não pesa em nada na minha consciência ter passado desta forma.

Quem não sabe o que estou falando, a terceira cobra que aparece na última tela da fase se aproxima bastante da saída e é tranquilo de esperar o ponto certo pra pular de uma ponta para outra da cobra e cair certinho dentro do buraco que leva à fase seguinte.

O que eu achei mais incrível é que vi outras pessoas jogando e cada uma passa as telas dessa fase de um jeito. Não que isso não aconteça em outros pontos do jogo, mas nesta fase parece que a coisa fica ainda mais evidente!

Ainda acontece de eu perder vidas vez ou outra de bobeira, mas no geral agora eu passo a fase sem morrer. E na sequência vem outro pesadelo.

A foto acima é de 11/01/2019. Reparem que ela já mostra a parte da navinha da fase Volkmire’s Inferno. Antes disso eu sofri um bocado com os troncos de madeira, pegar o esquema pra passar pelos três sem ficar perdendo vidas a toa. Hoje já é mais natural, mas aconteceu de eu dar um pulo errado justamente no dia em que terminei o jogo, então todo cuidado é pouco aqui.

Vocês perceberam, né? Não existe “clima de ‘já ganhou'” em nenhuma fase do game. Se entrar na fase achando que vai passar de boa, vai perder uma vida e ser lembrado do que você está jogando.

Bem, a parte da nave foi um bocado mais traumática. Antes do primeiro checkpoint eu já levei um Game Over definitivo na primeira vez que cheguei. Isso porque a parte é relativamente fácil. Claro, pra primeira vez que a gente chega, nada é fácil em Battletoads (talvez só a primeira fase).

Depois do checkpoint damos de cara com a “chuva horizontal” de bolas de fogo aleatórias. Ela é um saco! Completamente passável, mas uma piscada na hora errada e a gente morre. Vira e mexe deixo uma vida ali, mas sempre coleto a que tem no meio do caminho. Então acaba dando na mesma.

Duro mesmo é a parte seguinte, dos mísseis. Depois de terminar o jogo eu soube que não precisamos desviar dos mísseis enquanto eles estão subindo. Basta ficar na parte de baixo da tela e eles passam batido. Só que isso eu nunca fiz, eu sempre desviei da subida e da descida, tanto que achava essa parte um pouco chata por ser aleatória também. Em compensação, sempre pegava a vida que fica imediatamente antes do próximo checkpoint.

Parte irritante…

E após ele vem a parte decoreba. Puramente decoreba! Morri nas primeiras vezes que joguei e quase nunca mais depois disso. Passa três pelo meio da tela (vertical), faz o “N”, volta pro meio da tela (vertical), passa três no lado esquerdo, três no direito, uma no esquerdo, uma no direito. Anotaram? Super fácil! Após decorar, claro.

Depois vem a parte que deixa muita gente de cabelos em pé (os sem nenhum): a parte das barreiras que piscam antes de chegar, estilo meio parecido com a Turbo Tunnel. Demorei muito, muito mesmo pra aprender a passar. E mesmo hoje eu ainda enrosco no último dos obstáculos, que você não pode perder meio segundo ou morre nele.

Passando por esta maluquice a gente finalmente cai na Intruder Excluder, que tem mais de uma alcunha por parte dos jogadores. Eu gosto de chamar ela de a “fase do choque”. Isso porque eu vivia levando choques nela, sempre alguma das sentinelas robóticas me atingia e eu ficava um bocado irritado. Chega a desestabilizar. Curioso que os danos de choque não matam instantaneamente como os venenos e buracos, ou seja, nada grave. Mas incomodam.

Olha o choque gratuito!

Esta é uma das fases que eu mais gosto, acho a trilha sonora dela bem bacana. Parece que é uma fase pra te dar um certo respiro, mas sem deixar a coisa monótona. Há algum desafio e, como de praxe, qualquer tipo de cochilo aqui rende vida perdida.

Precisei de algumas tentativas pra conseguir passar, o nervoso da fase anterior influenciava bastante. Lembro bem de quando cheguei no chefe pela primeira vez, o Robo-Manus (um dos poucos que sei o nome) simplesmente me pisoteou assim que eu subi na plataforma e lá se foi uma de minhas preciosas poucas vidas.

É claro que não entendi o que tinha que fazer e tomei Game Over definitivo. Aconteceu mais uma vez, até que aos poucos fui entendendo os padrões de ataque e os tempos certos pra contra-atacar o chefe da fase. Levou um tempinho. E o interessante é que depois de terminar o game eu vi pessoas derrotando este chefe de formas totalmente diferentes da minha.

Pra ser preciso, demorei quase uma semana pra passar dele a primeira vez! As fotos abaixo são de 19/01/2019, um sábado. Foi a primeira vez que eu cheguei na Terra Tubes, a “fase da água”.

Foi a primeira vez que eu joguei Battletoads no Raspberry Pi. Fiz isso usando o controle SF30 da 8bitdo. Esse carinha aqui, que está sempre plugado no aparelhinho:

O direcional dele é bem gostoso pra passar a última parte da sétima fase. Mas no chefe da oitava fase eu senti que havia algo estranho, já que vira e mexe eu apertava pra baixo e ele andava de forma não muito precisa. Fui me dar conta desse problema mais pra frente, eu logo mais chego lá.

Enfim, dez dias depois eu ainda estava enroscado na “fase da água”. Foi a época em que resolvi narrar um pouco disso no Instagram (e importar os posts pra Twitter e, às vezes, Facebook).

View this post on Instagram

Hoje completa um mês que tô jogando a sério #Battletoads do #Nintendinho . O mais longe que consegui chegar no jogo foi nessa fase, a nona, a da água. Hoje cheguei um pouco mais longe, onde aparece um maldito pato de borracha. Foi o meu máximo nesse um mês, sem apelar pra save states, sem apelar pra YouTube, sem apelar pra coisa alguma, só a paciência e alguma determinação. Não jogo todos os dias, tenho alternado com leituras nas idas e vindas do trabalho. Mesmo assim, tô pensando em fazer uma pausa e voltar depois de um tempo. Foi assim com Castlevania. Será que eu perco a prática? Quem aí passou dessa parte? . . . #NES #RetroGaming #RetroGames #ChallengingGame #VideoGame #VideoGames #8Bits #8Bit #EscreviMuitoMesmo #GameOver

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

Estava completando um mês de jogatina. Era 29/01/2019 e eu ainda não havia vencido esta fase. É bom dizer que fiquei uns dias sem jogar, pra quem não sabe, dia 25/01 é feriado em São Paulo (aniversário da cidade). Foi uma fase que deixei o jogo parado por algum tempo, tanto que tiveram situações em que nem consegui chegar na “fase do choque” por falta de treino.

Sobre a “fase da água”, ela é cheia de diferentes obstáculos que você precisa morrer algumas vezes pra entender como passar. O curioso é que esta fase era uma das poucas que eu me lembrava de ter assistido no post “Retroplayers Tube: Battletoads De Cabo a Rabo” que o Retroplayers postou há 8 anos. Gente, 8 anos! É óbvio que eu não lembraria de muita coisa. Mas eu lembrava das engrenagens perseguindo o sapo meio que vagamente e achava que eu nunca iria passar aquilo.

Vale mencionar que eu assisti este vídeo novamente depois de terminar o jogo e um pouco antes de escrever este texto. É incrível como em diversas situações eu usei estratégias bem diferentes das do TH, amigo de longa data e o cara que terminou o jogo no vídeo. Inclusive, ele acompanhou a minha jornada toda via mensagens de WhatsApp. A ponto de cobrar quando eu não dava notícias. Valeu TH e foi mal a encheção de sapo saco! Fica aqui o agradecimento público!

Voltando. De cara passar os robôs parece tarefa fácil, mas andar um pouco a mais e esbarrar neles custa uma vida. Sacanagem! Pior que aconteceu algumas vezes. As partes com “pirocóptero” foram feitas pra te ferrar uma única vez e nunca mais. Em todas as três da fase eu morri na primeira tentativa e depois não morri mais.

Momento Indiana Jones!

As engrenagens são mais fáceis do que parece. A primeira parte dá um suadouro, mas depois que você sabe o que precisa fazer pra passar, fica fácil.

Aí você cai na água e fica louco de raiva das enguias elétricas e outros seres aquáticos desgraçados que estão ali só pra te ferrar. Como eu demorei pra passar essa fase. Parece que o fato de ter jogado Sonic demais me deixou meio apreensivo em fases debaixo d’água em qualquer game. Mal entrava na água e ficava desesperado, a ponto de errar coisas que sabia fazer.

Com o tempo a gente fica bom o bastante pra passar tudo sem deixar vidas de graça. Se bem que vira e mexe um tubarão ou peixe vem e te empurra pra um espinho só pra roubar uma vida na maldade. Ou a segunda parte das engrenagens, onde dá pra errar o tempo de pressionar o botão e acabar esmagado por uma delas ou espetado por um dos espinhos estrategicamente posicionados na fase. Os level designers deste jogo são sádicos, na boa! Abraços a todos eles!

Sem falar nos lindos patinhos de borracha. A primeira vez que dei de cara com um deles, tive uma surpresa bem desagradável. Inclusive ela aconteceu no momento do post acima, até falei deste momento.

Dois dias depois deste post eu chegaria na décima fase, a Rat Race. A fase que eu dou diversos nomes diferentes, mas na maioria das vezes chamo pelo nome original.

View this post on Instagram

Diário Battletoads tem novidades! Finalmente passei a nona fase (foto 1). Uma vez só, mas passei. Aí cheguei na tal da Rat Race (a segunda foto tá horrível, eu sei). Joguei um pouco dela e até consegui chegar no terceiro trecho, na terceira corrida. Mas gente, ela é impossível!! Huahuahauahua O ratão me humilha na corrida. Aí tomei Game Over, não teve jeito (última foto)... POR FAVOR, NÃO DÊ DICAS! XD Eu tenho uma estratégia pra vencer o fiudumaégua, só não sei se funciona. Difícil vai ser chegar de novo nessa fase! 🤣🤣🤣🤣🤣🤣 . . . #Battletoads #NES #Famicom #Nintendo #Nintendinho #8Bits #8Bit #RetroGaming #RetroGames #RetroGame #ChallengingGame #GameOver

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

As duas primeiras corridas são fáceis. Claro que a segunda eu não passei logo de cara, precisei morrer uma vez pra passar. Mas depois disso ficou bem fácil. Só que aí vem a terceira parte e você descobre que o terceiro rato tem algum parentesco com o Sonic, o bicho corre que nem um louco. Quem deu uma injeção de Blast Processing nesse corno?

Eu morri, morri e morri. Não sei quantas vezes. A ponto de ficar bom o bastante nas fases anteriores, até na parte da navinha da fase do inferno.

Na boa, eu gosto da música dessa fase, mas ela foi colocada ali pra tirar uma com a nossa cara, não é possível. A gente já está naquela tensão de vencer os obstáculos o mais depressa possível pra não ser deixado pra trás pelo “Ratonic” e vem aquela melodia desesperadora com velocidade aumentada na terceira corrida. Sério gente, pra quê? Por quê? Que sadismo sonoro dos infernos! O coração quase sai pela boca.

O “engraçado” (agora, porque na hora tava mais pra “trágico”) é que eu passei a corrida pela primeira vez com uma energia baixa e apenas uma vida extra. Logo depois vem o chefe da fase, que me matou, é claro.

No Continue (era o último) eu consegui passar de novo e até cheguei na fase seguinte, mas ainda não era garantia que eu passaria sempre. Postei o momento no Instagram

View this post on Instagram

Diário Battletoads informa: consegui por duas vezes passar o ratão na corrida diabólica da décima fase do jogo. Na primeira vez cheguei com nenhuma vida extra e quase nada de "energia". Morri rapidinho e logo consegui de novo. Não sei se aprendi, mas talvez eu tenha uma estratégia. A fase seguinte eu não consegui registrar (acabou a bateria do celular). Mas como que joga aquilo? Loucura! Hahaha. Precisão milimétrica na fase do monociclo. Levei Game Over muito rápido! Será que eu vou ter paciência pra aprender? Bom, primeiro preciso ver se realmente consigo chegar lá de novo! 🤣🤣🤣🤣🤣🤣 . . . #Battletoads #NES #Nintendo #Nintendinho #Rare #RetroGaming #RetroGames #RetroGame #VideoGame #VideoGames #8Bits #8Bit

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

Foto de 04/02, um dia depois do meu aniversário, dado curioso inútil. Ou não, vocês podem comprar presentes pra mim no ano que vem, eu deixo!

Enfim, a verdade é que depois de um tempo a corrida ficaria tranquila, meu dedão pararia de doer absurdamente a cada tentativa e eu passaria em quase todas as vezes. De vez em quando eu ainda errava uma coisinha ou outra, tentava algo novo só de sacanagem e acabava morrendo.

O chefe então ficou super fácil. É raríssimo eu levar dano dele. Depois que a gente aprende a estratégia, parece que ele nunca foi difícil. Mas talvez ele nunca tenha sido mesmo.

Eu mencionei dor no dedão, isso me faz pensar na fase seguinte, a Clinger Winger! Famosa “fase do monociclo”, “fase da bola”, entre outras alcunhas.

Anotem esta data: 08/02/2019. Foi quando eu de fato aprendi a chegar nela, a décima primeira fase e penúltima fase de Battletoads. Logo vocês verão o quanto eu demorei pra passá-la. Olha aí o momento de chegada oficial no Instagram também.

View this post on Instagram

"Quase Diário" Battletoads de volta! Não consegui jogar muito essa semana, hj joguei um pouco e precisei reaprender a passar o Ratão. O primeiro Game Over definitivo foi nele. Na jogatina seguinte eu consegui derrotar ele numa boa até e cheguei com muitas vidas na fase seguinte, a maldita corrida de monociclo! Gastei tudo nela, inclusive os 3 Continues. Baita sensação de que não vou passar isso nunca, minha progressão foi horrível. Mas não é a primeira vez que tenho essa sensação com esse jogo! Então vamo que vamo, uma hora eu consigo! 🤣🤣🤣🤣 Pelo menos atingi a pontuação máxima possível! Um monte de 9! . . . #Battletoads #NES #Nintendo #Nintendinho #Rare #ChallengingGame #OldGame #RetroGaming #RetroGames #RetroGame #VideoGame #VideoGames #Famicom #AnotherGameOver

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

Sim, eu fiquei feliz da vida por fazer score máximo no jogo. Não, eu não consegui finalizar com este score (os Continues zeram a pontuação). Mas calma que eu ainda não cheguei na última fase! Vou contar isso mais pra frente.

Demorei um bocado pra entender como a fase funciona. E mesmo entendendo, era mais do que normal errar uma vez ou outra e não ir longe na fase. Como se não pegasse o ponto exato para pressionar a direção correta.

Para quem não sabe, a fase funciona mais ou menos assim: você precisa segurar o direcional na direção que o monociclo (ou seja lá o que for isso) está se movendo. Seja pra cima, pra baixo, pra esquerda ou para a direita. E em hipótese alguma devemos pressionar alguma diagonal. A bola se movimenta mais rápido que o sapo nas retas, mas perde velocidade ao passar pelas “curvas” (são quadradas, não me matem, ‘matem’áticos). Então, quanto mais depressa a gente conseguir trocar de direção, mais pra trás a gente deixa a bola de energia.

Esse “timing” de movimentar e a precisão pra não pressionar diagonais em nenhum momento é algo um pouco complicado de conseguir pegar o jeito. Ou foi o que eu achei pelo menos.

Esta foi de longe a fase que mais exigiu precisão em D-pad considerando todos os jogos que já joguei na vida. Não me lembro de nada tão rigoroso. Talvez pra executar golpes especiais no primeiro Street Fighter (não confundam com o 2) chegue próximo, mas nele a coisa parece meio quebrada. Em Battletoads só parece rigoroso mesmo, pois o jogo responde muito bem se a gente faz a coisa do jeito certo.

O Ivo lá da Locadora Resident Ivo havia me dito que esta fase precisaria de muita paciência. Eu achei que ele estava exagerando na quantidade, embora tenha acreditado que precisava de alguma paciência (o jogo todo precisa). Mas ele tava até pegando leve, na real acho que aqui é que o jogo aperta o calo de muitos jogadores. Calos que ele mesmo gera, principalmente no dedão da mão esquerda. Tá louco!

Dia 11/02/2019 eu consegui ir um pouco mais longe, mas ainda estava muito longe mesmo de finalizar a fase. Ainda não estava me acostumando ao timing.

Aí no dia 14/02/2019 eu quis mostrar um vídeo e tentei gravar segurando o celular no peito enquanto jogava. O resultado ficou uma droga, mas eu vou compartilhar aqui assim mesmo. Não tem áudio, eu estava jogando de fone de ouvido.

Eu fiquei preso nesta fase por muito tempo. Logo digo a quantidade. O fato é que no final de semana seguinte (dia 23/02/2019) algo bastante inusitado aconteceu: eu consegui bugar o jogo! Fui na casa de um amigo e joguei com controle melhor (Dualshock 4) em emulador numa máquina de alta performance (sem slowdowns), além de monitor (sem input lag). Ou seja, cenário ideal pra que eu vencesse a fase do monociclo.

O problema é que eu nem cheguei nela. O bug aconteceu na Rat Race. Do nada o terceiro rato, lá pro finalzinho da corrida, atravessou a parede e saiu da tela. Até aí parecia que tudo bem. Só que eu fui lá, chutei a bomba e fiquei esperando o rato. E cadê ele? Não veio! Vejam só.

Com isso, “travou” o jogo. Não tinha mais o que fazer ali pra continuar, já que precisa do rato descer pra “quebrar” o chão e o sapo chegar no boss. Sendo assim, tive que desistir.

Em 25/02/2019 eu estava próximo de completar dois meses de jogatina e tinha chegado até um ponto novo da fase. Olha o post aqui:

Aí mais uma semana se passou e somente dia 06/03/2019 eu chegaria no chefe da fase pela primeira vez. Definitivamente não me sabia ou lembrava que no fim da corrida a gente tinha que enfrentar na porrada a bola de energia que nos perseguiu a fase toda. O que foi que aconteceu? Morri, é claro! Eu tinha uma vida só, não iria passar de primeira. Sempre tem aquele período de descoberta do que temos que fazer pra derrotar o chefe.

Postei a respeito, a sequência de fotos mostra o que aconteceu:

Lembram que eu falei pra vocês anotarem a data em que cheguei na décima primeira fase pela primeira vez? Eu recordo vocês: 08/02/2019. Ou seja, quase um mês inteiro depois eu fui chegar no chefe dela. Ou seja, eu entendo perfeitamente todos os jogadores que chegaram até ela e ficaram frustrados o suficiente pra desistir. Eu também quase fiz isso. Entretanto, eu queria muito terminar Battletoads e tentei persistir por mais tempo.

Dois dias depois eu chegaria no chefe novamente. Lembro que foi até depois de um Happy Hour, parecia que eu estava jogando mais solto por causa da cerveja consumida. Foi pouco, gente, parem de me julgar. Eu acredito que foi neste dia que eu perceberia o timing e a forma como eu deveria mudar de direção na fase, como fugir dos malditos diagonais durante a troca.

Daí que eu achava que tinha conseguido pegar o jeito, resolvi tentar algo diferente. No dia seguinte, em 09/03/2019, tentei novamente jogar no Raspberry Pi. Não lembrava a data, mas o site Retroachievements (link para o meu perfil lá) acabou me lembrando. E aí que veio a minha lamentação em relação a algo que eu achei que seria a solução para os meus problemas.

Se naquele dia na casa do amigo eu tinha sido frustrado pelo bug que rolou na Rat Race, e no dia anterior eu achava que teria pegado o jeito de como passar a fase, então era hora de desenterrar o Raspberry Pi e usar o controle SN30 da 8bitdo para finalmente vencer a corrida com a bola e chegar no chefe com mais vidas. Poxa, é um controle de SNES, a TV tem baixíssimo input lag, tem tudo pra dar certo. Pois é, não deu.

Antes de chegar lá passei algumas vergonhas ao longo do jogo, pois perdi algumas vidas de forma besta. Relevei e fui em frente até chegar mais uma vez na Clinger Winger. Foi daí que a minha decepção se concretizou.

Mal começou a fase e eu vi que mesmo pressionando pra direita a bola não estava indo na velocidade esperada. Algumas vidas depois eu percebi que o controle era o culpado. Calma, não é desculpa de mal perdedor, eu vou explicar. Se eu pressionasse com todo cuidado do mundo na direção, conseguia atingir a velocidade normal. O menor deslize na direção das diagonais e o monociclo perdia a velocidade.

Pausei e fui fazer algumas pesquisas na Internet. Foi quando vi algumas pessoas reclamando que o controle possui diagonais super sensíveis, e que isso era uma falha bem grave do controle, embora ele responda super rápido (entre outras coisas boas). Inclusive vi pessoas reclamando justamente de ter tentado a fase com este controle e que não conseguia nada com ele.

O pior é que depois que eu li isso tudo fez sentido. Algumas das vidas que tinham sido perdidas em outras fases também eram culpa do controle. De novo, não é papo de mal perdedor, eu posso citar um deles, que é a própria Rat Race. Em diversos momentos eu estava tentando correr pra chegar antes dos ratos e o sapo do nada se abaixava sozinho, sendo que eu nem estava apertando pra baixo. O mesmo aconteceu na fase do gelo. Fora que eu percebi umas idas pra frente e pra trás sozinho na Turbo Tunnel enquanto ia para cima ou para baixo. Mas eu só fui me dar conta de tudo isso depois de passar a experiência.

Que decepção! Quando comprei o controle achei que tinha sido um ótimo negócio. Aí me deparo com uma coisa dessas. Bem, infelizmente fica aqui a dica pra vocês: não tentem jogar Battletoads com este controle. Para outros ele pode até servir, mas para um jogo como este não.

Me restou dar Rage Quit e ir fazer outra coisa da minha vida naquele resto de sábado. Frustrante!

Lembro que na semana seguinte eu não consegui jogar muito, foi uma semana corrida. Ainda assim, no dia 14/03/2019, uma quinta-feira, eu conseguiria finalmente vencer a penúltima fase do jogo. Olha o post aí:

View this post on Instagram

PASSEI!!!!!!! Pela primeira vez na minha humilde vida, consegui passar da maldita fase da bola do Battletoads!!!!! Sim, cheguei na última fase. Sim, já gastei meu penúltimo Continue nela e não progredi quase nada! 🤣🤣🤣🤣🤣 Não, eu não tenho certeza se consigo passar a fase 11 de novo. Mas eu também não tinha certeza que passaria a Turbo Tunnel... depois a fase das Cobras... depois a fase do Inferno, a fase dos choques, a corrida dos ratos, ... Ou seja, espero estar errado de novo, pq acho que vou levar mais um Game Over! Huahuahua . . . #Battletoads #Nintendo #NES #Nintendinho #Famicom #Rare #OldGames #OldGame #ClassicGame #RetroGaming #RetroGames #RetroGame #VideoGame #VideoGames #LastLevel #FinalLevel

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

Inacreditável! Eu realmente tinha aprendido como passar a corrida naquele outro dia e já logo percebi como enfrentar o chefe também. Então finalmente eu chegaria na última fase, parecia ser hora de terminar o jogo.

Repararam numa coisa? Foi mais de um mês pra passar a penúltima fase. Então se é que tenho algum direito de fazer uma coisa dessas, fica aqui o meu apoio pra quem enroscou na Clinger Winger. Com muita paciência e prática vocês também chegam lá! Não desistam! Credo, que frase motivacional enlatada do caramba!

Fiquei o final de semana sem jogar e na segunda seguinte (18/03/2019) eu registrei o fato de que cheguei na fase mais uma vez, numa foto incrivelmente mal tirada:

Era fato que eu já tinha vencido a desgraça da fase do monociclo. Então é hora de parar de lamentar essa fase e começar a falar da última.

The Revolution merece ser a última fase de um dos jogos mais desafiadores de todos os tempos. Ela é cheia de surpresas, ela te dá todas as chances do mundo para aprender com os erros. Ela não deixa você passar ela de primeira. De jeito nenhum! É a última fase de Battletoads, vocês esperavam o quê?

Dia 21/03/2019 eu estava nela de novo, vejam só:

View this post on Instagram

Pensa numa fase filha da mãe! Digna de última fase de um jogo realmente desafiador. E, além disso, cumpre muito bem o papel de trazer outro desafio diferente para o jogo, de forma justa. Quem se esforça, com certeza passa. Eu ainda tô com raiva da nuvenzinha amarela que assopra pra fora das plataformas, que vem um pouco depois da parte dessas fotos. Ainda não passei dela. Não vai ser essa semana que vou terminar, mas com sorte eu consigo ainda este mês! 😁🤣🤘🏻 . . . #Battletoads #NES #Nintendo #Nintendinho #Famicom #Rare #OldGames #OldGame #RetroGaming #RetroGames #RetroGame #InstaGame #InstaGames #Challenges #FinalLevel #LastLevel #GameOver #Game #VideoGame #VideoGames #Games #RetroGamers #DoIt

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

A premissa da fase é subir uma torre até chegar no lugar onde está a Dark Queen. Só que tem aquela sacanagem suprema de jogos antigos em fases de progressão vertical: subiu um pouco e caiu pra baixo da tela, morreu. E a fase é cheia de pequenas plataformas e outras sacanagens que vão te fazer cair e perder uma vida. E se sentir estúpido no processo, é claro.

Ou seja, é um desafio clássico de plataforma. Mas também tem combates contra alguns inimigos mais chatinhos, que se você dá uma cochilada, eles roubam vidas de vocês tranquilamente. Ou seja, tem que jogar totalmente ligado.

Eu lembro que fiquei transtornado com as nuvens que assopram. E a saída destas partes também. Isso porque nós temos que ficar pendurados pra não ser assoprados pra fora do cenário e logo em seguida, em determinados trechos, temos que soltar dela e cair certinho em cima de uma plataforma móvel que está girando em volta da torre.

Quando o sapo se solta, ele tira o ferro em que estava se segurando do lugar e dá aquele ataque quando estamos segurando uma barra de ferro. Ou seja, o sapo não cai direto. Então temos que sincronizar essa sarrada “paulada” no ar com o momento certo que a plataforma vai passar embaixo do sapo quando este começar a cair após a “paulada”. Não curti isso, foi uma das poucas coisas que eu confesso ter achado desnecessário no jogo, mas entendo a jogada dos desenvolvedores. Eu acho. Então bola pra frente, sem mimimi.

O trecho final da fase é bem sacana. Bem sacana mesmo. Uma nuvem amarela começa a perseguir assoprando tentando derrubar o sapo de uma sequência de plataformas curtas que dá pra errar facilmente o pulo. E não dá tempo de pensar, tem que sair correndo e pulando sem saber direito se vai acertar o pulo ou não e continuar atravessando o cenário. Se vacilar meio segundo, a nuvem vai te jogar pra fora e tchau pra mais uma vida.

Não pode parar, nem por um segundo!

Lembro que morri bastante nesta parte, mas no dia seguinte eu finalmente passaria ela. Fui no modo “vaca-louca”, correndo e pulando sem medo de ser feliz. Eis que a torre dá uma explosão e de repente aparece ela, a única e inigualável Dark Queen.

Engraçado como as coisas acontecem na vida da gente, né? No exato momento em que eu começaria a luta contra a Dark Queen, a linha amarela do metrô de São Paulo deu problema. Justo na linha amarela, onde eu nunca tinha vivenciado um problema antes. Coisas do destino. Ou uma baita coincidência, acredite no que quiser.

Sei que no meio de toda aquela galera apreensiva, o vagão enchendo, eu encostado no canto ali sendo espremido, tava concentrado tentando entender como funcionaria a luta contra a última chefa chefe do jogo. Cheguei com uma vida extra, é claro que ela logo seria consumida e eu tomaria um Game Over.

Eu bufei, achava que não tinha mais Continues disponíveis, mas aparentemente tinha sim. Resmunguei ter que jogar toda a fase de novo, mas estava preparado para aquilo e pouco me importando com as caras feias em volta, da população de Sampa pê da vida que o metrô não se mexia. Eis que eu tive o que parecia a melhor notícia daquela tarde de sexta: o Continue me jogou de volta na luta contra a Dark Queen.

Rapaz, eu cheguei a pausar o jogo pra dar uma vibrada de leve. Discreta, não queria passar vergonha.

DIVA! ❤

Então a luta recomeçou, eu lutei da forma mais covarde possível, só atacava quando tinha certeza absoluta de que eu acertaria ela e fiquei fugindo de todas as formas possíveis e imagináveis. Em alguns momentos meus ataques entravam, em outros eu era contra-atacado e perdia energia ou vida.

Duas vidas foram perdidas e começou o meu desespero. Um desespero bem diferente dos demais passageiros, incomodados com o transporte ainda parado. Não entendia porque em alguns momentos as cabeçadas do sapo funcionavam e em outras eu levava porrada.

Até que cedo ou tarde eu acabei vencendo a luta. É difícil de explicar o que eu senti naquele momento, eu queria muito gritar. Por uma coincidência maluca do destino, a vitória aconteceu poucos segundos depois do metrô fechar a porta e voltar a se mover. Então se eu gritasse pra comemorar, talvez as pessoas não achariam tão estranho. Mas eu me contive. Gritei mentalmente, se é que isso existe. Além disso, puxei o celular e mandei umas 292 mensagens pro TH dizendo que consegui.

Ainda com o celular na mão, comecei a tirar fotos. Pausava e tirava fotos. Esperei a animação da Dark Queen resmungando a derrota e tirei fotos. Aí voltou pra tela de jogo e eu percebi que ainda tinha controle sobre o sapo. E a Dark Queen subiu. Meu desespero chegou num nível estratosférico: ainda teria mais combate?

Do nada ela desce, eu quase me escondo debaixo da pessoa que tava do meu lado no metrô, movi o sapo rapidamente para o canto da tela e a vilã passou batido, iniciando a sequência de fim de jogo. Era isso, eu enfim terminava o meu maior algoz!

Vamos lá, eu tenho que mostrar o post do momento:

View this post on Instagram

EU... EU... CONSEGUI? EU CONSEGUI !!!! EU CONSEGUI SIM!!!!! BARAAAAAAAAALHO FILHADAPULGAAAAAAAAAAAA! Não acredito!!!!! Mil vezes não acredito!!!!! Eu finalmente consegui terminar Battletoads!!!!! \o/ Rapaz, que jornada incrível! Cheguei no último chefe no que eu pensava ser a última vida do último Continue, e claro que acabei morrendo facilmente. Só que, pra minha surpresa, eu tinha pelo menos mais um e quando ativei ele percebi que recomecei na Dark Queen! Aí ficou viável, foi o suficiente pra morrer duas vezes e ainda assim derrotar a adorável vilã do jogo! O mundo conspirou tanto a favor que até o metrô deu problema e permitiu que eu concentrasse no jogo! Kkkkkkk Finalmente venci o meu maior algoz gamístico. Acho que vale um post contando a experiência toda. O que acham? Valeu para quem acompanhou a saga aqui nas redes sociais, apoiou e torceu por mim de alguma forma. Vcs são o máximo! XD . . . #Battletoads #NES #Nintendo #Famicom #Nintendinho #Rare #DarkQueen #LastBoss #FinalBoss #LastLevel #FinalLevel #Ending #Game #VideoGame #VideoGames #RetroGame #RetroGames #RetroGaming #RetroGamer #OldGame #OldGames #ClassicGame #ClassicGames #InstaGame #InstaGames #GameEnding #VideoGameEnding

A post shared by Gamer Caduco (@gamercaduco) on

Eu adorei a repercussão do post e as respostas de outros amigos que receberam uma mensagem minha dizendo que terminei o jogo. Algumas destas pessoas começaram a dizer que a partir de agora eu faço parte de algum tipo de grupo seleto, clube ou qualquer outra coisa similar. E querem saber? Sinto isso daí mesmo! Tenho que comemorar a façanha, né? Fiquei orgulhoso de mim mesmo!

Mas não faço isso com arrogância, juro que não. Pelo contrário, ainda acho que sou um jogador de videogame bem meia boca, do tipo que apenas tem paciência. Mas tenho que reconhecer: eu me dediquei muito pra conseguir chegar neste resultado.

Na verdade eu quero chegar é em outra coisa, que é a mensagem de que se eu consigo, você também consegue. Não é falsa modéstia, não é conversa pra boi dormir. Se você realmente quer terminar Battletoads (sem artifícios), você vai ter que se dedicar. Jogar pelo menos umas três vezes por semana, se conformar e não se frustrar, saber que vai ficar um mês enroscado em uma fase. Mas seguir tentando, uma hora você vai conseguir. Não é impossível.

Sério, eu queria muito que todos tivessem a mesma sensação que eu tive naquela tarde dentro de um metrô cheio de gente enfurecida querendo chegar em casa ou em algum compromisso. Aquilo foi mágico pra mim (não, não a parte das pessoas enfurecidas, a de ter terminado, caramba). Quase rolou um suor masculino saindo dos olhos. Felizmente o celular me ajudou a extravasar. A caminhada da estação até em casa também.

Sobre a Dark Queen, depois eu descobri que ela precisa ser atacada pelas costas. Ou pelo menos foi o que a galera disse no Retroplayers Tube #3: Battletoads de Cabo a Rabo que eu faço questão de linkar de novo. Até o Sabat já tá careca de saber que dá pra terminar este jogo, se a pessoa se empenhar.

No mais, Battletoads entrou no meu top 10. Eu ainda não sei direito a posição, pois é difícil brigar com a nostalgia proporcionada por alguns jogos que também estão nesse Top 10.

De qualquer maneira, é um dos melhores jogos que joguei na vida. Dá pra sentir todo capricho dos desenvolvedores em proporcionar uma experiência única, com 12 diferentes fases para que jogadores de videogame que são impulsionados por desafios não tenham defeito nenhum pra colocar. E quando eu digo “diferentes”, é que são realmente diferentes. Criatividade aqui é forte!

Quem não gosta de um bom desafio pode continuar jogando o que gosta de jogar sem tentar botar defeito em uma das obras primas dos 8 bits. Até mesmo porque se há algum, ele é facilmente suprimido por todas as grandes qualidades nele existentes.

O legal é que está muito além do desafio. Mecanicamente o jogo é fantástico, graficamente é ótimo, trilha sonora então tem uma qualidade muito acima da média. Não tinha como não amar.

Valeu Rare! Vocês são incríveis!

Valeu leitores! Vocês também são!

Eu me despeço, o post já está grande demais.

A única coisa que peço a vocês é que compartilhem a experiência de vocês com o jogo também, digam até onde foram, porque pararam de jogar, etc. Espaço dos comentários é sempre de vocês. Tomara que este post e as minhas respostas sejam suficientes para estimulá-los a tentar mais uma vez!

Eu voltarei em algum momento, prometo!

Abraços a todos e até o próximo post!

Anúncios

Sobre Gamer Caduco

Menino novo, com mais de 30 anos de idade, fanático por games de todas as gerações.
Esse post foi publicado em Desafio Algozes Gamísticos, Desafios, Jogos, NES, Nintendo e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Desafio Algozes: Battletoads (NES)

  1. Parabéns! Eu travei no maldito rato, até apelei para save state, mas salvei numa hora ruim, daí fu*** e desisti. Um dia crio coragem e encaro todo ele!

  2. aki é rock disse:

    Esse jogo é maneiro mas sua dificuldade mata a pau nunca consegui passar da fase da motinha kra rs.

  3. Pingback: Pecados Gamísticos | Gamer Caduco

Deixe seu comentário sobre este post!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s